Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Quem conta dois contos

Quem conta dois contos

02
Nov18

o Carrossel

arp

 

 

O carrossel sempre fascinou as gentes. Primeiro as músicas, depois os cheiros da envolvente, as farturas, o algodão doce, coisas quase palpáveis, mesmo se fosse cego. O movimento das figuras e a possibilidade de as montar, os elefantes, os cavalos, mas sobretudo da girafa, enquanto se era observado, isso era a suprema glória. Desde pequenos que alguns investiam no carrossel. Faltavam à escola, deixavam de falar com os que se mantinham agarrados aos livros e aquela ocupação espúria de ler, escrever e contar. No carrossel começavam de baixo. Tentavam e conseguiam ocupar um lugar nas gigantescas chávenas que haviam visto no livro de desenhos do feiticeiro de Oz. Começavam então uma carreira. A primeira prova era conseguir andar revolteando e subindo e descendo sem enjoar. Repetidamente, sempre. Aos poucos dos leitores-contadores que se interessassem episodicamente pelo carrossel, era-lhes transmitido o enjoo que tal provocava e rapidamente desistiam voltando para sequências das suas actividades, mas leituras, mais contas…

A quem observava, de um ponto fixo, eles iam aparecendo e desaparecendo, mas nunca abandonavam o carrossel. Apenas mudavam de animal. Depois, quando já tinham intimidade com o cobrador dos bilhetes, pediam-lhe para por a máquina a rodar mais devagar e assim davam a ilusão, aos observadores, que havia tempos em que não estariam no carrossel.

Entre eles brigavam sempre pela girafa, por ser o animal que lhes dava maior visibilidade quando montado.

De quando em vez, mas muito mais quando do que vez, aparecia alguém de fora, que até estava habituado a montar. Cavalos a sério, por vezes mesmo elefantes. Aí começava a luta, que não conheciam as regras do carrossel que eles é que sabiam montar, que sempre montaram, de pequenos e que o carrossel não servia para quem andasse a montar coisas reais. Era só para quem sabia fazer de conta. De conta que sabia, de conta que faria…

Ai que um dia a música para.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Favoritos

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub